Home > 3 > Escolher a Melhor Estrutura Legal para um Negócio Português

Escolher a Melhor Estrutura Legal para um Negócio Português

De Rauva

Publicado a 22 Setembro 2023

9mins de leitura

Partilhar
share article icon
Detail Article Image

Aviso Legal: Embora a equipa da Rauva se esforce por manter estas informações atualizadas, recomendamos sempre procurar o aconselhamento de profissionais legais e financeiros para ajudar com a sua situação única.

Estabelecer a estrutura legal adequada é uma das primeiras coisas que terás de fazer ao iniciar um negócio em Portugal. Isso garante que o teu negócio opera dentro do quadro legal, fornece objetividade sobre os teus direitos e responsabilidades e pode influenciar a perceção do teu negócio aos olhos dos clientes, parceiros e investidores.

Neste artigo, iremos orientar-te na compreensão das diferentes estruturas legais disponíveis para criar uma empresa em Portugal e ajudar-te a avaliar os prós e contras de cada opção.

Tipos de Estruturas Legais para o Teu Negócio em Portugal

Existem muitas formas que o teu negócio pode adotar em Portugal. Estas são as mais comuns:

1. Empresário em Nome Individual (Sole Proprietorship)

Um Empresário em Nome Individual é uma opção simples para empreendedores individuais que desejam estabelecer um negócio sem formar uma empresa.

É a forma mais simples de entidade empresarial; no entanto, tu tens responsabilidade ilimitada, o que significa que os teus ativos pessoais podem ser usados para liquidar as dívidas do negócio e, por essa razão, só vale a pena considerar esta estrutura se o teu negócio tiver um risco muito baixo.

Além disso, existem outros prós e contras a considerar:

Prós:

  • **Simplicidade:** Esta estrutura oferece uma maneira direta de operar um negócio sem as complexidades de incorporar uma empresa formal.
  • **Controlo Total:** Como único proprietário, tens autoridade completa sobre a tomada de decisões e operações.
  • **Requisitos Mínimos:** Ao contrário de entidades maiores, não é necessário capital social mínimo ou formalidades administrativas extensas, o que facilita o início se tiveres um orçamento limitado.

Contras:

  • **Responsabilidade e Exposição ao Risco Ilimitadas:** Não há distinção legal entre ativos pessoais e empresariais, tornando-te pessoalmente responsável pelas obrigações do negócio.
  • **Potencial de Crescimento Limitado:** Existem estruturas melhores se planeias expandir o teu negócio. Sob uma empresa individual, as limitações de recursos, a potencial (falta de) profissionalismo percebido e a simplicidade da estrutura podem dificultar o crescimento do negócio.

Em comparação com outras estruturas de negócios, uma Empresa Individual é adequada para empreendimentos em pequena escala com risco muito baixo. Ela oferece facilidade de operação e encargos administrativos mínimos, tornando-a uma opção atrativa para aqueles que estão começando. No entanto, deves considerar seriamente os riscos potenciais da responsabilidade ilimitada e avaliar se os benefícios estão alinhados com os teus objetivos de negócio e tolerância ao risco a longo prazo.

2. Trabalhador Independente (Freelancer)

Um freelancer, ou trabalhador independente, assim como um empresário em nome individual, opera sem uma estrutura empresarial formal. Oferece serviços (que devem estar na lista determinada pelo IRS, se tiveres dúvidas, verifica antes com um contabilista!) com base na sua experiência, frequentemente em áreas como escrita, design, consultoria e programação e é uma estrutura comum entre os 'nómadas digitais' que trabalham em Portugal com um visto D7.

Os freelancers são responsáveis pelos seus próprios impostos e contribuições para a segurança social. Normalmente, operam sob o regime simplificado de tributação, a menos que o seu rendimento anual ultrapasse um determinado limite. Tal como os empresários em nome individual, os freelancers precisam emitir "recibos verdes" pelos seus serviços, que funcionam como faturas para fins fiscais.

Assim como no caso da empresa individual, não há distinção legal entre os ativos pessoais e empresariais do freelancer, o que significa que eles têm responsabilidade ilimitada. Isso pode expor os ativos pessoais a riscos relacionados ao negócio, mas isso pode não ser um grande problema se, por exemplo, não planeiam obter empréstimos avultados para administrar ou expandir o vosso negócio.

Prós:

  • **Flexibilidade:** Os freelancers têm a autonomia para escolherem os projetos e clientes de acordo com a sua experiência e interesses.
  • **Poucas Barreiras iniciais ** Começar como freelancer implica procedimentos administrativos e de configuração mínimos.
  • **Trabalho Diversificado:** Os freelancers podem trabalhar em diferentes setores e projetos, resultando num portfólio diversificado.

Contras:

  • **Impostos e Segurança Social:** Os freelancers são responsáveis pelos seus próprios impostos e contribuições para a segurança social, o que pode ser complexo de gerir.
  • **Responsabilidade Ilimitada:** Não há separação legal entre os ativos pessoais e empresariais, colocando os bens pessoais em risco.
  • **Estabilidade de Rendimento:** O rendimento pode ser inconsistente, e os freelancers podem enfrentar desafios durante períodos de recessão económica.

Em comparação com outras estruturas de negócios, os freelancers beneficiam da independência e flexibilidade do seu trabalho. No entanto, a falta de proteção legal para os ativos pessoais e a potencial instabilidade de rendimento são considerações importantes. Como resultado, os freelancers devem avaliar cuidadosamente o seu planeamento financeiro, tolerância ao risco e objetivos a longo prazo antes de escolher este caminho.

Tanto os freelancers como os empresários em nome individual têm a vantagem de processos administrativos mais simples em comparação com outras estruturas de negócios. No entanto, o aspeto da responsabilidade ilimitada pode ser uma grande preocupação, especialmente se o negócio enfrentar desafios financeiros ou disputas legais.

3. Sociedade por Quotas (Empresa Limitada, também conhecida por ‘limitada’ ou Lda.)

A Sociedade por Quotas, comumente referida em Portugal como 'limitada' ou apenas 'LDA', é a estrutura empresarial predominante em Portugal porque oferece uma mistura equilibrada de proteção de responsabilidade e flexibilidade operacional. Para iniciar uma limitada, são necessários pelo menos dois acionistas, e a responsabilidade deles está limitada ao capital que investiram na empresa.

Prós:

  • **Responsabilidade Limitada / Risco Menor:** Os acionistas estão protegidos de responsabilidade pessoal, limitando a sua exposição financeira ao investimento realizado.
  • **Flexibilidade Operacional:** As Lda podem ser estabelecidas com um capital gerenciável, permitindo que pequenas e médias empresas comecem por ser pequenas e cresçam para grandes empresas, sem a necessidade de mudar a estrutura legal à medida que crescem.
  • **Facilidade de Transferência:** As ações são transferíveis, promovendo a facilidade de transição de propriedade.
  • **Eficiência Fiscal:** As Lda podem usufruir de taxas fiscais vantajosas e incentivos.

Contras:

  • **Formação Complexa:** Embora não seja tão complexo como uma sociedade anónima, o processo de criação de uma Lda ainda requer muita papelada e procedimentos legais.
  • **Número Mínimo de Acionistas:** A necessidade de pelo menos dois acionistas não é adequada para empreendedores individuais ou empresas muito pequenas.
  • **Supervisão Regulamentar:** As Lda devem cumprir determinadas obrigações regulatórias e administrativas, o que envolve custos administrativos contínuos.

Em contraste com outras estruturas de negócios, como empresas individuais e parcerias, a LDA é a escolha mais popular de estrutura legal em Portugal por uma boa razão - combinando as vantagens da responsabilidade limitada com a capacidade de crescimento, estabelecer uma LDA é uma situação vantajosa para a maioria das empresas.

4. Sociedade Unipessoal por Quotas (Unipessoal Lda)

A Sociedade Unipessoal por Quotas, comumente referida como 'Unipessoal Lda', é semelhante à Lda, mas permite que um único acionista estabeleça, possua e gerencie o negócio, combinando os benefícios da responsabilidade limitada com a conveniência de uma empresa individual.

Prós:

  • **Responsabilidade Limitada:** Como a sua homóloga LDA, a estrutura Unipessoal Lda protege os ativos pessoais do acionista contra responsabilidades relacionadas ao negócio.
  • **Propriedade Única:** Adequada para empreendedores individuais, esta estrutura oferece controle total e autoridade na tomada de decisões.
  • **Flexibilidade Operacional:** Os empreendedores podem beneficiar da agilidade operacional de uma estrutura de responsabilidade limitada, mesmo como único acionista.
  • **Profissionalismo Entendido:** Ao lidar com uma instituição financeira, parceiros, fornecedores ou clientes, é mais fácil construir confiança quando se opera como uma empresa limitada, em vez de um freelancer ou empresário individual. 

Contras:

  • **Risco Pessoal:** Embora uma 'Unipessoal Lda' ofereça responsabilidade limitada, um único acionista ainda é responsável pelo sucesso e obrigações da empresa.
  • **Restrições de Recursos:** Como um esforço individual, o negócio pode enfrentar limitações de recursos em termos de capital e experiência (embora esse problema seja menos comum com uma Unipessoal Lda em comparação com um empresário individual ou freelancer).
  • **Potenciais Obstáculos ao Crescimento:** Expandir o negócio pode ser desafiador devido às limitações das capacidades de um único proprietário.

Comparada a outras estruturas de negócios, a Unipessoal Lda oferece um meio-termo entre uma empresa de responsabilidade limitada tradicional e uma empresa individual. Ela adequa-se a empreendedores que podem estar a lançar um negócio por conta própria, ou que valorizam a autonomia e a simplicidade, ao mesmo tempo que desfrutam da proteção de responsabilidade que as estruturas de responsabilidade limitada proporcionam.

5. Sociedade Anónima (SA)

Apropriada para empresas maiores, uma SA é uma estrutura empresarial mais complexa e geralmente não é usada por pequenas empresas. Estabelecer uma SA requer pelo menos cinco acionistas, e, assim como uma Lda., a responsabilidade dos acionistas está limitada ao valor das suas ações. Essa opção não é adequada para empreendedores novos ou inexperientes.

Prós:

  • **Responsabilidade Limitada:** A responsabilidade dos acionistas está limitada ao capital investido, protegendo assim os ativos pessoais.
  • **Aquisição de Capital:** As empresas SA podem angariar capital emitindo ações para o público (mercado), tornando mais fácil financiar a sua expansão.
  • **Credibilidade Reforçada:** Empresas públicas frequentemente desfrutam de maior credibilidade e confiança entre investidores, fornecedores e clientes.

Contras:

  • **Formação Complexa:** Estabelecer uma SA envolve mais etapas administrativas e requisitos de conformidade, tornando-o demorado.
  • **Conformidade Regulamentar:** As SAs devem cumprir regulamentos mais rigorosos, como relatórios financeiros, auditorias e requisitos de divulgação.
  • **Custos:** Devido às exigências regulatórias e aos serviços profissionais necessários, os custos de configuração e manutenção podem ser mais elevados.

Comparada a outras estruturas de negócios, uma SA é mais adequada para empresas maiores que procuram capital de investidores públicos e visam uma maior visibilidade no mercado. No entanto, é importante pesquisar cuidadosamente e considerar o processo complexo de formação, os custos mais elevados e as maiores obrigações regulatórias. Empresas menores ou startups podem considerar a estrutura de SA esmagadora e inadequada, devendo explorar alternativas mais simples.

Embora existam outras formas que o teu negócio pode adotar, como cooperativas e diferentes tipos de parcerias, as opções listadas aqui são as mais comuns, e uma destas escolhas adapta-se à maioria dos empreendedores.

Embora seja fácil recomendar a criação de uma LDA para a maioria dos empreendedores, devido ao argumento convincente de que terás proteção pessoal contra qualquer responsabilidade da empresa, todos têm circunstâncias diferentes. Existem cinco principais fatores a considerar ao decidir qual a estrutura legal que será a melhor para o teu negócio. 

1. Implicações Fiscais:  É importante considerar como cada estrutura legal afetará a tua situação fiscal pessoal e qual estrutura está alinhada com os teus objetivos financeiros. Consulta sempre um profissional de impostos antes de decidir.

2. Proteção de Responsabilidade: Compreender o nível de responsabilidade pessoal que enfrentarás sob cada estrutura legal é crucial, pois pode proteger os teus ativos pessoais em caso de circunstâncias imprevistas. Esta é uma consideração importante que, na maioria das vezes, resulta na decisão de estabelecer uma 'Limitada' ou sociedade limitada.

3. Propriedade e Controlo: As diferentes estruturas empresariais oferecem diferentes graus de controlo sobre os processos de tomada de decisão, bem como diferentes níveis de direitos de propriedade. Esta questão será tanto mais importante quanto maior for o número de proprietários ou sócios envolvidos na constituição da sua empresa.

4. Flexibilidade Operacional: Algumas estruturas podem oferecer mais flexibilidade operacional, permitindo-te adaptar rapidamente às mudanças do mercado ou expandir as tuas operações sem obstáculos significativos. Por essa razão, vale a pena definir os teus objetivos de negócios a longo prazo antes de escolher a estrutura do teu negócio, sempre que possível. 

5. Requisitos de Conformidade: Cada estrutura tem requisitos de conformidade específicos, como obrigações de relatórios ou auditorias obrigatórias, que devem ser considerados ao escolher uma estrutura legal.

Por fim, as considerações de custo são importantes, pois diferentes estruturas legais têm custos de configuração e manutenção distintos. Deves analisar o teu orçamento e escolher uma estrutura que esteja alinhada com as tuas capacidades financeiras.

Estrutura LegalProcesso de RegistoImplicações FiscaisProteção de ResponsabilidadeEstrutura de Propriedade e GestãoFlexibilidade para o Crescimento Futuro
Empresário em Nome IndividualSimples e DiretoImposto pessoal sobre o rendimento da empresaNão há separação entre ativos pessoais e obrigações comerciais Propriedade e gestão de uma pessoaPotencial limitado para expansão
ParceriaRequer um contrato de parceriaOs parceiros são tributados individualmente sobre a sua quota de lucrosCada parceiro tem responsabilidade pessoal ilimitadaPropriedade e gestão partilhadas entre os parceirosPotencial de crescimento limitado pelo contrato de parceria
Sociedade por Quotas (LDA)Processo de registo mais complexo em comparação com empresário em nome individual ou parceriaLucros tributados a nível da empresa e individual (tributação pass-through disponível)Os proprietários estão protegidos contra responsabilidade pessoalEstrutura de propriedade flexível com possibilidade de vários membrosOferece potencial de crescimento através da adição de membros ou transferência de ações

Conclusão

Determinar a estrutura legal apropriada para o teu negócio em Portugal é uma decisão importante que afetará a trajetória da tua empresa. Cada estrutura legal possui vantagens e desvantagens únicas, tornando essencial avaliar cuidadosamente os teus objetivos de negócio, tolerância ao risco e aspirações a longo prazo antes de tomar uma decisão final. As estruturas da empresa podem ser alteradas posteriormente, no entanto, o processo pode ser complexo, dispendioso e demorado.

Independentemente de optares pela simplicidade de uma Empresário em Nome Individual, pela independência do estatuto de Freelancer, pela proteção equilibrada e flexibilidade de uma Sociedade por Quotas (LDA), pela conveniência de uma Sociedade Unipessoal por Quotas (Unipessoal Lda) ou pelo potencial de crescimento ambicioso de uma Sociedade Anónima (SA), a decisão deve ser baseada na compreensão abrangente das necessidades e contexto do teu negócio.

Ao tomar a decisão, tem em em conta fatores como implicações fiscais, proteção de responsabilidade, propriedade e controlo, flexibilidade operacional e requisitos de conformidade ao tomar a tua decisão. Consulta profissionais legais especializados em direito empresarial português para garantir que a tua escolha esteja alinhada com os regulamentos legais e os objetivos do teu negócio.

Em última análise, a estrutura legal escolhida servirá de base para a operação, crescimento e realização das ambições da tua empresa no cenário empresarial português. Com uma consideração cuidadosa e a orientação correta, estás no caminho certo para estabelecer um negócio bem-sucedido e legalmente sólido em Portugal.

Partilhar
share article icon
Escrito por Rauva

A nossa equipa especializada dedica-se a trazer conteúdo relevante e útil todos os dias para a nossa comunidade de empreendedores. Gostamos de manter-nos atualizados e partilhamos as melhores novidades consigo.

Subscreve à nossa newsletter

Receba os últimos insights e tendências para ajudá-lo a gerir o seu negócio.

Queres ficar a par das nossas últimas novidades?

Zero spam. O teu email será apenas utilizado para receberes novidades nossas.

©Rauva - 2024
TwitterLinkedInFacebookInstagram
A Rauva tem uma parceria com a Swan que fornecerá todos os serviços de pagamento aos clientes da Rauva. A Rauva não tem acesso aos fundos dos clientes. Os fundos são mantidos em contas fornecidas pela Swan, mantidas no BNP Paribas. A Swan é uma EMI, sediada em França, supervisionada e regulamentada pela ACPR/Banque de France. A Swan está autorizada a realizar tais serviços em Portugal e registada no Banco de Portugal sob o número de registo 7893.
A Rauva é uma empresa certificada de contabilidade, mas não é sociedade de advogados. Assim sendo, a Rauva não realiza serviços legais. A Rauva actua como intermediário, facilitando a oferta aos seus clientes de serviços legais realizados por Parceiros especialistas e certificados em Portugal. A lista de Parceiros da Rauva está disponível aqui.